fbpx

Eventos

  • Concerto de Poesia Janeiro

    By Estação das Letras on 22 de agosto de 2019

    IEL – Instituto Estação das Letras  Convida você para o nosso tradicional Concerto de Poesia .

    João Cabral (1920/1999), cujo centenário de nascimento se comemora em Janeiro de 2020, é um dos mais expressivos poetas brasileiros. Pleno de cuidados ao criar versos e escolher palavras, tem uma obra múltipla e complexa. Os poemas cortam como faca, mas podem ser doces como o mel da cana. No gesto de catar feijão os grãos flutuam na água e permitem jogar fora o que boiar : eis uma imagem que ele aproxima do ato de escrever. Está sempre em busca do equilíbrio entre a emoção e o rigor. Sua obra revela uma preocupação com os grandes mistérios da linguagem e com a colocação das palavras no espaço em branco e, neste sentido, se aproxima dos artistas plásticos que admirava.

    Esta leitura de parte de sua obra é uma visão pessoal em torno do impacto que seus versos provocaram em mim. Foram escolhidos textos que mais se adéquam a uma possibilidade de leitura oral.

     


    Convidado
    Elias Fajardo 

    Participação Especial

    Inez Cabral (cineasta, jornalista, escritora e filha do poeta)

    Dia 25 /01 (sábado)
    Às 16h

    Entrada Franca

    concerto de poesia jan

     

  • Aula Inaugural do 1º semestre de 2020 do IEL

    By Estação das Letras on 18 de julho de 2019

    João Cabral de Melo Neto: a Pedra que lateja

    Com José Castello

    Aula Inaugural do 1º semestre de 2020 do IEL, Instituto Estação das Letras

     

    A Aula Inaugural do semestre que o Instituto Estação das Letras oferece a seus alunos, amigos, professores e público em geral tem como tema a poesia de João Cabral de Melo Neto que em (2020) faria 100 anos. Esse evento, especialíssimo, terá como condutor ninguém menos que um de seus críticos e leitores mais importantes: o jornalista e escritor José Castello que teve a alegria de conviver com o autor , escrevendo alguns ensaios sobre seu trabalho e o livro: João Cabral: o homem sem alma(Ed. Bertrand Brasil)

     

    Sobre o evento e sobre o autor, José Castello escreve:

    Vinicius de Moraes disse, em um poema antigo, que João Cabral de Melo Neto é um “poeta diamante”. Brincava, também, afirmando que o amigo fazia uma “poesia de cabra”, ou até “poesia de pedra”. A fama de duro, racional, inflexível, sempre esteve associada à figura de João Cabral. Mas será ela mesmo verdadeira?

    No início dos anos 1990, trabalhando em um projeto que resultou no livro “João Cabral: O Homem Sem Alma” (Bertrand Brasil), tive a chance de fazer vinte e duas entrevistas com o poeta. Os primeiros encontros, de fato, confirmavam a imagem do homem seco, pragmático, sem sentimentos, que comparava o fazer do poeta à atividade fria do engenheiro.

    Com o avançar de nossas conversas, porém, essa imagem inicial foi se rasgando e, em seu lugar, surgiu diante de mim a figura de um poeta aflito, melancólico, atordoado por paradoxos, sentimentos impulsivos e contradições. A imagem do “poeta sem alma”, de que tantos falam, se desfigurou. Aos poucos, entendi que João Cabral usou a poesia, antes de tudo, como uma armadura que o protegeu do mundo.

    Na verdade, se a lemos com cuidado e, sobretudo, sem preconceitos intelectuais, tudo isso já está na própria poesia de João Cabral. Menino ainda de calças curtas, eu já tinha que conter as lágrimas para atravessar as páginas de “Morte e vida Severina”, ou de “O cão sem plumas”, poemas que comecei a ler em torno dos 11 ou 12 anos, e de que nunca mais me separei.

    Desde então, não parei mais de pensar nesse poeta frágil e sensível que se esconde sob a casca grossa das palavras. Nesse homem que, “por incapaz do vago”, como ele mesmo diz em um poema, se escondeu detrás de versos duros e resistentes. Uma pedra lateja no interior da poesia de João Cabral de Melo Neto – e é sobre ela que me proponho a falar.


    Dia 28/01 (terça)

    ÀS 16H

    Local: SESC Flamengo

    Entrada Gratuita

    Aula aberta

     

  • Recordar Infâncias – Palestras Interativas – JULHO

    By Estação das Letras on 2 de julho de 2019

    O Instituto Estação das Letras convida você para o projeto Recordar Infâncias.

    Nosso foco é manter a memória de consagrados autores (escritores e ilustradores) que produziram para as crianças e contribuir para a formação do público interessado.

    Da infância nasce o desejo de criar; ao escrever e ilustrar, o artista convoca suas muitas crianças. Vamos recordar infâncias e manter viva a obra dos artistas que produziram literatura.

    Esperamos você para esta palestra interativa!

    São poucos lugares, por isso garanta logo sua inscrição.

    Associados da Rede de Amigos são isentos da Taxa de Adesão.


    Com
    Ninfa Parreiras

     

    Dia 04/07 (quinta)
    17h às 18h30

     

     

    Recordar Infâncias julho

  • Recordar Infâncias – Palestras Interativas

    By Estação das Letras on 2 de maio de 2019

    O Instituto Estação das Letras convida você para o projeto Recordar Infâncias.

    Nosso foco é manter a memória de consagrados autores (escritores e ilustradores) que produziram para as crianças e contribuir para a formação do público interessado.

    Da infância nasce o desejo de criar; ao escrever e ilustrar, o artista convoca suas muitas crianças. Vamos recordar infâncias e manter viva a obra dos artistas que produziram literatura.

    Esperamos você para esta palestra interativa!

    São poucos lugares, por isso garanta logo sua inscrição.

    Associados da Rede de Amigos são isentos da Taxa de Adesão.


    Com
    Ninfa Parreiras

     

    Dia 09/05 (quinta)
    16h30 às 18h30

    Recordar Infâncias maio

     

  • Leituras Imperdíveis com os autores da Coletânea Estilingues30

    By Estação das Letras on 24 de abril de 2019

    Este mês, o Leituras Imperdíveis recebe o coletivo Estilingues.

    O grupo se conheceu no Rio de Janeiro, em uma oficina literária, nos anos 1980. Alguns percorreram carreiras solo, outros enveredaram pela imagem. Uma história de sucesso que já produziu três coletâneas de contos.

    Celebrando 30 anos de trajetória literária, o Estilingues acaba de lançar sete livros, pela editora Patuá. A abrangência literária do grupo se comprova pela diversidade de estilos, que refletem as identidades dos autores.

    Alexandre Brandão: “Uns e outros mais dois ou três”, livro de contos, com orelha de Luís Giffoni

    Cristina Zarur: “Esboço de uma possível boneca”, livro de contos, com orelha de Arthur Dapieve

    Marilena Moraes: “Asas de seda”, livro de haicais e fotos, com orelha de Paulo Henriques Britto

    Miriam Mambrini: “Meninas em tarde de sol”, livro de contos, com orelha de Valéria Martins

    Nilma Lacerda: “Pégaso na sala de jantar”, livro de contos, com orelha de Fabio Weintraub

    Sônia Peçanha: “Relógio d’água”, livro de novela e contos, com orelha de Anélia Montechiari Pietrani

    Vânia Osório; “Desenhando uma janela”, livro de contos e poesia, com orelha de Edna Bueno.

     

    Segunda feira, 29 de abril, às 18:30

     

    Na Livraria Leonardo Da Vinci

    Av. Rio Branco, 185 – Subsolo – Centro

    Rio de Janeiro

    Entrada Franca

    Leituras Imperdíveis estilingue30